Av. Brás de Pina, 2780 A Vista Alegre - RJ
21 3351-4416 / 3459-5783 / 2481-1636 homeopatia@solardaservas.com.br
19 anos levando saúde até você!

Alimentação adequada melhora os sintomas da gastrite

Uma dieta equilibrada é fundamental para saúde e para uma duradoura sensação de bem-estar, em especial entre as pessoas que sofrem de doenças estomacais como a gastrite.

Nestes casos, seguir uma dieta específica ou trocar certos alimentos por outros, além de diminuir os incômodos sintomas, pode aumentar e muito a qualidade de vida.

A gastrite é uma inflamação da mucosa do estômago diagnosticada pelo exame de endoscopia digestiva alta. Os sintomas mais comuns são dor e queimação no abdômen e, em casos mais complicados, sangramento digestivo.

A ingestão de alguns alimentos piora os sintomas de quem tem gastrite. O ideal é evitá-los.
Para minimizar os sintomas, especialistas apontam uma a uma, as principais armadilhas nas refeições de quem sofre de gastrite assim como os alimentos que mais trazem benefícios.

Mas antes de começar qualquer dieta, recomenda-se consultar um médico para ter mais informações sobre sua real situação de saúde. Detalhe: as dietas não dispensam a medicação.

As orientações dadas ao paciente são extremamente importantes e deverão ser seguidas para se obter o sucesso esperado.

O que comer e como comer

  •    Priorize alimentos com propriedades calmantes e antiinflamatórias como couve, hortelã, gengibre, chás;
  • Consuma vegetais e frutas cruas em abundância e não esqueça de tomar bastante água nos intervalos das refeições;
  • Utilize ervas e temperos naturais: coentro, sálvia, salsa, tomilho, endro, manjericão, gengibre, erva-doce, cominho, hortelã, alho, além de aumentar o consumo de frutas e vegetais crus;
  •  Preste atenção nos alimentos que lhe fazem mal: não adianta insistir em consumi-los; não é tudo que nosso organismo aceita;
  • Alimente-se com calma: fale pouco durante a refeição, mastigando bem o alimento (pelo menos 25 vezes), evitando ingerir líquido durante a refeição;
  • Nada de passar longos períodos de estômago vazio: coma alguma coisa a cada 3-4 horas;
  • Tome leite com moderação (mesmo desnatado): no máximo meio litro ao dia: isso porque o leite é alcalino e nosso estômago é ácido. Quanto mais alcalino é ingerido, mais ácido o estômago irá produzir;
  • Substitua a laranja pera por laranja lima: a laranja lima não é ácida;
  • Substitua o café pela versão descafeinada: café, chá preto, chá mate e chocolate têm cafeína, que estimula a produção de ácido pelo estômago;
  • Coma sem medo: qualquer alimento que não esteja na lista acima, desde que não se faça jejum prolongado, se mastigue bem e não coma ao deitar;
  • Se quiser comer fritura, prepare na frigideira de teflon, sem óleo, ou grelhado: o problema da fritura é o óleo utilizado

Alimentos e hábitos a se evitar

  •  Alimentos irritativos da mucosa gástrica: café, açúcar, carne vermelha, álcool;
  • temperos fortes (alho, cebola, molho shoyu, pimenta, catchup, mostarda), leite de vaca e derivados, refrigerantes, frituras, gorduras, molho de tomate, frutas ácidas (limão, laranja, mexerica, maracujá, abacaxi, kiwi, morango), sucos ácidos (limonada, laranjada, suco de acerola, maracujá, abacaxi), alimentos com cafeína, pimentão e berinjela (de difícil digestão);
  •  Evite o consumo de alimentos prontos: congelados, industrializados e de pacote
  • Fumar: o fumo para quem tem gastrite pode piorar ainda mais os sintomas, pois aumenta a produção de ácido no estômago. Isso é suficiente não só para causar irritação local, como para alterar os dentes e a mucosa oral, prejudicando a digestão que começa na boca com o mastigar dos alimentos;
  • Alimento muito quentes: gastrite é a inflamação do estômago. Alimentos quentes dilatam os vasos e pioram essa inflamação;
  •  Goma de mascar: quando mastigamos o estômago começa a produzir ácido porque irá entrar alimento. Só que nesse caso o alimento não será deglutido;
  • Evite fazer refeições volumosas: faça três refeições principais de menos volume e dois a três lanchinhos.

Fonte: Site Viver Bem

Nenhum comentário.

Deixe um comentário